quinta-feira, 14 de julho de 2011

A leitura valorizada como fator primordial de ensino

A leitura ainda é a maior fonte de conhecimento e informação que a humanidade tem a sua disposição para crescer intelectualmente. Mesmo que nossa cultura não seja de bons leitores, ela ainda recheia os nossos dias, sem mesmo nos darmos conta. No caixa eletrônico do banco, nos gibis, manuais, celebração de uma missa, rádio, bibliotecas, comércio, trabalho,  enfim, a todo momento estamos lendo livros, coisas e o mundo.
Nas escolas podemos observar que isso se amplia, através de projetos, momentos de leitura, troca de informações e na fala das crianças, que na verdade, devem ser ouvidas.
Para compartilhar com , deixo a seguir uma crônica produzida em um encontro de Formação da Olimpíada de Língua Portuguesa.

A PÁTRIA QUE SE AFOGOU

            Éramos três professores, Antônio Lima, Silvania Barreto e Jorge Felix, analisávamos a crônica O Pavão de Rubem Braga, quando fomos surpreendidos pela Pátria que aos berros pedia ajuda:
           _ Estou me afogando!
           Nós reles educadores abasbacados, não sabíamos o que fazer, boquiabertos com a situação.
         _Estou me afogando! – gritava a Pátria com voz rouca e olhos lacrimejantes.
          Antônio Lima disse:
        _A piscina aí está.
        Silvania nada dizia, somente ria.
        Jorge Felix completou:
       _ Pátria querida! Vá para casa, aqui só tem professores, não tem médicos.
        A Pátria levantava os braços e pedia socorro.
        Enfim, a confusão se deu por um ruído na comunicação, afogar-se para nós acrianos, é na água, por isso Antonio apressado indicou-lhe a piscina, para que morresse deveras afogada, a Pátria tão amada.
        Seria correto talvez dizer...estou me entalando ou me engasgando; quem sabe, como fomos ensinados por nossos pais, um murro nas costas salvaria a Pátria certamente.

(Texto produzido por: Antonio Lima, Silvania Barreto e Jorge Felix ).

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

 Relato da atividade 2-unidade 4
A presente atividade foi realizada conforme orientações do Profº. Dagoberto. Formamos o grupo na Escola Rosaura Mourão, composto por: Francicleia da Rocha Derze, Vânia Lúcia Melo Monteiro, Luzanira Matias, Caire Veras e Magda Guimarães.
Pesquisamos no Portal do professor, imprimimos e estudamos como seria aplicado. Para ter mais conhecimento é só acessar o site. http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=21147
Como objetivo para esta atividade, esperamos que os alunos pudessem refletir sobre a importância da cultura popular e discutir a diversidade de provérbios existentes e a sua utilização no dia a dia.
Iniciamos a aula mostrando uma imagem referente aos provérbios, discutimos com os alunos seu conceito, em que situações são utilizados e interpretamos seu significado em relação a nossa vida. Em seguida, apresentamos um slide com todas as informações sobre os provérbios, tipos, situações de uso, significado. PROVÉRBIOS-SLIDE.pptx Depois, solicitamos que os alunos lessem em voz alta os 4 provérbios que eles pesquisaram em casa para trazer para a nossa aula.
¢  Antes tarde do que nunca.
¢  Aqui se faz, aqui se paga.
¢  Cada macaco no seu galho.
¢  Quem tem boca vai a Roma.
¢  Em casa de ferreiro espeto de pau.
¢  Uma andorinha só não faz verão.
¢  Quem com ferro fere com ferro será ferido.
¢  Pólvora perto de fogo incendeia.
¢  Quem fala mal dos outros, na tua presença, na tua ausência falara mal de ti.
¢  O melhor remédio e o tempo.
¢  Melhor um covarde do que um herói morto.
¢  Nem tudo que reluz e ouro.
¢  Briga de marido e mulher ninguém mete a colher.
¢  Não há rosas sem espinho.
¢  O seguro morreu de velho.
¢  A noite e boa e conselheira.
¢  A mentira tem pernas curtas.

Após anotar e ler os provérbios trazidos pelos alunos, explicamos que o estudo dos provérbios recebe o nome de Paremiologia, que representa a sabedoria e a cultura do povo. Que ao longo dos anos eles vão se modificando e sendo parodiados. Para explicar, exibimos um vídeo do youtube que explica na prática como é feito.
Dando continuidade, explicamos as duas atividades que eles iriam fazer.  A primeira, seria criar uma tabela, para a partir do provérbio dado, colocarem a situação de uso e o significado. Veja:


Provérbio
Situação de uso
Significado
Rir melhor, quem rir por último


Casa de ferreiro, espeto de pau


A justiça tarda, mas não falha


Pau que nasce torto, morre torto.


Quem tem telhado de vidro, não joga pedra no outro.




A segunda seria ensiná-los a fazer um slide. Primeiro pesquisaram na internet algumas imagens e depois explicamos os procedimentos para eles criarem seus slides.
Por fim, passamos em Power point uma atividade com imagens para eles descobrirem o provérbio correspondente. Depois solicitamos que avaliassem a aula e selecionamos três para fazermos um vídeo.
A duração desta atividade foi exatamente de três horas. Não vimos nem o tempo passar. Os alunos gostaram, elogiaram nossa aula e falaram que aprenderam muito, apesar do pouco conhecimento que eles têm com a máquina.






video
video

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

EPROINFO-unidade 3- trabalho em grupo: Vânia Lúcia, Francicleia e Magda Guimarães

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE AULAS SOBRE O TRÂNSITO

Foi solicitado pelo Profº Dagoberto que realizássemos uma atividade prática em sala de aula com os alunos. Planejamos, pesquisamos e organizamos o material com antecedência. Enquanto era organizado essa parte, dia 10 de setembro, a colega Vânia reuniu com os alunos que iríamos trabalhar. Como estamos fora de sala de aula, decidimos não só assistir a aula de outro professor, pensamos em trabalhar na sala de informática da escola com alunos que têm dificuldades em ler e escrever, para isso contamos com a ajuda do Irmão Braz que selecionou os alunos de 5ª a 8ª série.
Convidamos 10 alunos para participar, por conta de que a sala de informática não dispõe de computadores funcionando em maior quantidade. Mesmo assim compareceram apenas 7: Jailton, Railson, Maria Janaína e Aldailso da 5ª série; Francisco Jonas e José Hermeson da 6ª série; André da 8ª série.
A atividade foi desenvolvida como o planejado. Explicamos a proposta de atividade, que foi compreendida pelos alunos. Em seguida, ouvimos os alunos através de algumas perguntas que fizemos relacionadas ao trânsito. Eles não sabiam conceituar o que era trânsito, mas após novas perguntas, eles conseguiram dizer que é a passagem de motos, carros e nós acrescentamos que é a passagem de veículos e pedestres.
Os alunos no início estavam um pouco inibidos, mas depois começaram a se soltar e foram bem participativos. Realizaram todas as atividades, embora apresentassem algumas dificuldades em ortografia e em teclar.
Dando continuidade, foi trabalhado um slide com situações-problemas que envolviam os sinais de trânsito, no qual eles responderam corretamente a todos os questionamentos com o auxílio das imagens.
Em seguida, assistimos a um vídeo da TV escola, fita nº 06 de Língua Portuguesa, volume 3, aula 33, muito interessante com a participação do Profº Pasquale, que fala sobre os sinais do trânsito e sua linguagem. Foi bem comentado e todos os questionamentos os alunos responderam atentamente. As atividades de escrita foram realizadas e o objetivo foi alcançado. Os alunos conseguiram escrever o que pensam e observar o que há de errado no trânsito de seu município.
Foi trabalhado também a leitura de um almanaque do Paranasinho do Portal do Professor e uma cruzadinha para verificar a compreensão dos alunos. Pode ser encontrado no endereço http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnica.html?id=23850.
Por último avaliamos como foi à aula e os alunos escreveram que gostaram muito e que gostariam de participar novamente. A proposta envolveu todos os alunos, trabalhar este conteúdo e com o computador como recurso foi muito importante para eles, uma vez que tinham pouca intimidade com a máquina. É uma atividade que pode ser adaptada a outras séries e disciplinas, dependendo dos objetivos do professor e do conteúdo é claro.
Maiores informações sobre a atividade é só olhar no portal do professor.http://portaldoprofessor.mec.gov.br/verAula.html?aula=24358.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

RELATO DE EXPERIÊNCIA

O relato de experiência publicado neste blog foi realizado conforme as aulas da professora Luzileide Oliveira, que trabalha com o 5º ano na Escola Rosaura Mourão da Rocha. Suas aulas foram observadas, acomapanhadas e deste trabalho nasceu este relato de experiência.
O conteúdo trabalhado foi Espaço e Forma- disciplina Matemática, desenvolvido em 4 aulas.
1ª aula
A proposta de atividade era solicitar aos alunos que confeccionassem um mapa da sala de aula para que seu pai identificasse sua carteira. Para isso, a professora trabalhou o espaço da sala de aula fazendo algumas perguntas sobre a localização dos objetos. Em seguida, ela entregou um mapa com a foto da sala para que observassem, fazendo os seguintes questionamentos:
1- Ana senta em frente a mesa da professora.
2- João é o que senta mais longe da professora.
3- André e Felipe sentam -se lado a lado.
4- Carlos senta-se longe de João e ao lado da janela.
5- Maria senta-se próxima à porta.
6- Joana senta-se à frente de João e bem próxima de Felipe.
7- Júlia senta-se atrás do Carlos.
8- Rosa e Pedro sentam-se em frente ao quadro, sendo que Rosa se senta mais perto da professora que Pedro.
9- Sabendo que Camila senta-se ao lado de João, onde se senta Fabiana?
Após este trabalho os alunos fizeram os seus mapas.


    2ª aula
Dando continuidade ao conteúdo, a segunda aula foi realizado um passeio no entorno da escola para que os alunos identificassem pontos de referências, endereços, placas das ruas e pontos comerciais...
Habilidades:
* Representa um itinerário através de desenho numa folha de papel;
* Representa o trajeto por meio de um mapa, indicando pontos de referência.
Conteúdo: Lateralidade, Pontos de Referência, Nome das ruas, Localização do espaço, Contagem e Leitura de Imagens.
Procedimentos:
 Conversar com os alunos sobre a proposta de atividade;

 Organizar os alunos para dar um passeio nas imediações da escola;

 Pedir que levassem cadernos para anotar possíveis pontos de referência;

 Fazer comentários sobre placas, nomes de ruas e etc., para facilitar a observação dos alunos;

 Após retornar à sala de aula, pedir que descrevam em uma folha de papel o mapa do itinerário feito;

 Pedir que os alunos assinalassem no mapa os pontos de referência encontrados durante o percurso, indicando o sentido da trajetória;

 Leitura dos mapas dos alunos.

A atividade foi desafiadora e empolgante para os alunos; sair dos muros da escola, observar seu bairro, os pontos de referência tão conhecidos, mas que nunca tinham chamado a atenção deles;

A professora preparou a turma para a realização da proposta, explicou o que iriam fazer e o percurso que iriam tomar;

A atividade conseguiu prender a atenção dos alunos, todos fizeram suas anotações a seu modo;

As intervenções foram pertinentes, tanto com relação aos pontos de referência como de localização (leitura de placas com os nomes das ruas);

Como desafio, eles tinham que passar para o papel o percurso feito pela turma, evidenciando saída e volta para a escola, indicando os pontos de referência.

Todos conseguiram fazer a atividade, só que nenhum aproximou o seu desenho em forma de mapa. Por isso a professora replanejou a atividade e trabalhou essa competência.

3ª aula
A 3ª aula foi trabalhado um jogo chinês em formato de figuras geométricas, onde os alunos iriam criar figuras de objetos, animais, etc, com o Tangran.
Objetivo: Conhecer e desenvolver atividades com o tangran.

Procedimentos:
 Levantamento dos conhecimentos prévios dos alunos;
 Apresentação do Tangran em cartaz;
 Leitura oral da lenda de como surgiu o Tangran;
 Atividade de colagem e produção de figuras;
 Os alunos receberam uma folha mimeografada com 7 peças que formam o tangran. Eles pintaram, recortaram e produziram figuras;
 Apresentação das figuras produzidas e comentários pelos alunos.
Avaliação: Questionamentos orais.
A atividade proposta foi desafiadora. Os alunos foram bem participativos e conseguiram realizar a atividade proposta. A profª explicou claramente o objetivo da atividade e o que os alunos iriam fazer. A atividade foi bem prazerosa, com pinturas, recorte e colagem. Depois os desenhos produzidos pelos alunos foram expostos em um cartaz na sala e comentados pela professora.
A profª deveria ter realizado uma atividade de simetria, conforme a proposta de trabalho, mas creio que seu objetivo era apresentar esse jogo, novo para os alunos.
4ª aula
Para finalizar esse estudo de Espaço e Forma, a última aula foi trabalhado os sólidos geométricos.
Objetivo: Descobrir que um mesmo sólido geométrico admite diferentes planificações.

Conteúdo: Planificação do cubo

Proposta da atividade:

 Levantar os conhecimentos prévios dos alunos relacionados às características do cubo: mesma medida dos lados, faces planas, larguras, comprimento, arestas, faces, formas bidimensionais e tridimensionais;
 Explicar o que é planificação;
 Expor na sala planificações;
 Entregar a atividade proposta aos alunos e explicar;
 Propor que manuseiem as formas planas, com a tarefa de identificar quais formas planificadas não é possível montar um cubo.
  Correção coletiva após todos os alunos terem resolvido a atividade
Avaliação da aula: Através de perguntas orais.

A atividade desenvolvida foi desafiadora, os alunos manusearam as planificações, observando na prática quais formariam um cubo e quais não. Além disso, foram bem participativos, responderam a todas as intervenções feitas pela professora no tocante a conceitos como: faces, arestas, largura, comprimento, etc.
Vale salientar que os alunos compreenderam que apesar de todas as figuras possuírem 6 quadrados, nem todas formam um cubo, isso depende da posição em que são colocadas.
A professora preparou os alunos para a atividade, arrumou a sala e todos estavam empenhados em identificar as planificações.

Podemos observar que as aulas realizadas pela professora são bem práticas, promovem desafios, envolvimento e aprendizagens.
Os objetivos foram alcançados, as crianças conseguiram desenvolver as atividades com facilidade.
A professora utilizou vários recursos, importantes para facilitar a compreensão dos educandos.
Todo o planejamento foi baseado no Caderno do PROFEMAT-módulo I e Letramento.